Explosão da nave Columbia completa 15 anos

Um estrondo repentino e depois um grande rastro branco, que causou uma chuva de detritos: em 1º de fevereiro de 2003 terminava a história da nave Columbia, a apenas 16 minutos da aterrissagem que teria marcado o final da missão STS-107.

A bordo estavam sete astronautas, sendo cinco homens e duas mulheres, vítimas do último grande desastre espacial registrado no mundo

Famoso por ter inaugurado os voos do Space Shuttle e saudado por todos como ”uma volta na história espacial”, o Columbia tinha despertado uma grande esperança. Tinha, de fato, demonstrado ser uma nave reutilizável – sendo a primeira a ser lançada com um homem a bordo, além de ser a primeira a ser alimentada com um reservatório externo.

O sonho, agora, era poder fazer uma viagem por semana com um custo acessível.

A primeira enorme desilusão chegou em 28 de janeiro de 1986 com a tragédia de Challenger, quando a nave explodiu aos 73 segundos do lançamento com sete homens a bordo.

Como um balde de água fria, caía o projeto de fazer a nave norte-americana ser uma espécie de “ônibus” espacial. A longa pausa imposta para garantir a segurança havia forçado a diminuição do cronograma dos voos. A ideia foi aposentada totalmente em julho de 2011 e agora pertence a uma página antiga de exploração espacial.

O futuro que se apresenta agora é profundamente diferente, com missões que vêem muitas empresas privadas e alvos ambiciosos ao lado da Nas, como o retorno à Lua e uma missão a Marte com um homem a bordo. Um dos símbolos da transição para a nova era está em breve, com o lançamento experimental do grande lançador Falcon Heavy, esperado em fevereiro.

Projetado e construído para a Nasa pelo SpaceX de Elon Musk, o Falcon Heavy foi projetado para transportar cargas de mais de 60 toneladas em órbita, para ser reutilizado, mas sobretudo em vista das missões para o planeta vermelho.

Após o primeiro teste na Terra, o Centro Espacial Kennedy da NASA está em preparação para o lançamento inaugural, previsto pela plataforma 39A, o mesmo do qual as missões Apollo para a Lua começaram entre os anos 1960 e 1970. Com informações da ANSA.